segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Divulgada classificação dos trabalhos da Apresentação de Pôster do IV Simepe

Confira a classificação dos trabalhos da Apresentação de Pôster do IV Simepe na aba Trabalho.
Ascom/Reitoria
11/12/2017

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Divulgada classificação dos trabalhos da Apresentação Oral

Confira a classificação dos trabalhos da Apresentação Oral do IV Simepe na aba Trabalho.
Ascom/Reitoria
04/12/2017

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Palestra de encerramento do IV Simepe aborda reforma do ensino médio

A professora Sandra Regina de Oliveira Garcia ministrou, no dia 30, a palestra “O ensino médio integrado a educação profissional: travessia para a formação humana integral”, no ginásio do IF Sudeste MG – Campus Juiz de Fora, como parte do encerramento do IV Simepe.
Retomando as mudanças curriculares e estruturais da reforma do ensino médio, Sandra abordou de forma crítica o viés educacional proposto pelo Governo. Estiveram presentes no evento, pró-reitores, diretores e profissionais da área, incluindo o reitor da Instituição, professor Charles Okama de Souza.
Segundo Sandra, a sociedade vive um movimento que tende ao conservadorismo. Para ela, as mudanças que motivaram a reforma são mudanças que estão acontecendo mundialmente e que acabam agindo contra conquistas sociais históricas. “As reformas do ensino médio são uma demonstração desse retrocesso”, afirma.
A solução pode não ser fácil, nem imediata. De acordo com a visão da professora, é preciso cautela, para que possamos vencer os desafios do nosso tempo. “Temos que nos estruturar para passar por esse momento mais conturbado, para que a gente possa retomar o projeto de sociedade construído ao longo do tempo”, pondera.
Texto e foto: João G. C. e Vallo

Apresentação Cultural e lançamento de livros marcam noite do último dia do Simepe

A forte chuva não desanimou os componentes das bandas que encerraram as apresentações culturais do IV Simepe. A performance da Banda Level, composta pelos alunos do Campus Juiz de Fora, Lucas Arneiro (baixista) e Pedro Celestino de Melo, juntamente com Tadi Cotta (vocal e guitarra) marcou a despedida do integrante Douglas de Freitas, baterista do grupo. O repertório da banda para o Simepe foi composto por músicas internacionais das bandas Foo Fighters, Red Hot Chili Peppers, Incubus, Pear Jam e Rage Against.
Já a segunda apresentação foi de Gabriel Costa e Banda, grupo constituído pelos alunos também do Campus Juiz de Fora, Gabriel Costa e Mateus Nery e também por João Pedro Mendes, Gabriel Bellozi, Giovanni Rezende e Deca Fernandes. As músicas tocadas pela banda foram: Isn't she lovely (Stevie Wonder), Além Porém aqui (Teatro Mágico), Samurai (Djavan), Estações (autoral), Feliz pra Cachorro (5 a seco), Homem Aranha (Jorge Vercilo).



Após a animada apresentação, foi dado início ao lançamento de três livros escritos por professores do IF Sudeste MG.

O professor do curso de Administração do Campus Muriaé, Telêmaco Pompei, apresentou o livro: "Você escolhe a Marca do seu Café, mas você sabe o que está bebendo?", que foi desenvolvido a partir de sua dissertação de mestrado. O estudo que resultou no livro procurou conhecer mais o consumidor, especificamente na situação de compra e consumo de café, através da comparação de fatores determinantes na sua decisão de compra, confrontando com seus hábitos do consumo. O professor acredita que o lançamento do livro comprova a valorização dos profissionais que atuam no IF Sudeste.
Já o professor do Campus Barbacena, Geraldo Majela Moraes e Salvio, apresentou o livro "Áreas naturais protegidas e indicadores socioeconômicos: o desafio da conservação da natureza" e agradeceu o suporte para desenvolver um tema que considera tão importante e atual.
Para finalizar, a professora do Campus Rio Pomba, Danielle Souza de Cunha apresentou o livro “Frutos da palmeira-juçara: contextualização, tecnologia e processamento” que traz dados de produção e comercialização da juçara, características botânicas e ecológicas do fruto e da palmeira, fluxograma de processamento e diagrama de potencialidades de uso da polpa. Daniele agradeceu a base que o instituto proporcionou a ela como estudante, pois acredita que foi essa base que garantiu sua aprovação no doutorado da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).
Texto: Raquel Blank
Fotos: Louise Moraes 

No IV Simepe, Campus Juiz de Fora promove primeira Competição de Futebol de Robôs

Gol, árbitro, falta, pênalti, torcida e euforia. Muitos brasileiros conhecem todos esses elementos a partir da televisão ou dos estádios. No entanto, estudantes e professores conseguiram reproduzir esse ambiente no Campus Juiz de Fora durante o IV Simpósio de Ensino, Pesquisa e Extensão. A primeira Competição de Futebol de Robôs . A equipe campeã foi a ELMFC, formada pelos estudantes do curso técnico em Eletromecânica integrado ao Ensino Médio Tiago Pulinho Ramos, Henrique Faria Ribeiro, Phelipe dos Reis Roberto, Gustavo Moratori Abreu e Matheus de Paula Rezende. Também participaram os times Titãs, da Engenharia Mecatrônica, e CRLR, do curso técnico em Eletrotécnica.
Com no máximo três "jogadores" por equipe, os estudantes comandam os robôs por meio de controles de Playstation, com um sistema totalmente desenvolvido por eles. Eles foram orientados por tutoriais disponibilizados por professores do IF, que apresentaram instruções sobre robótica móvel, motores, placas e outros aspectos relacionados aos robôs e seus comandos.
"Como estamos no terceiro ano, também precisamos nos preocupar com exames de seleção", contou o estudante Guilherme Sampaio, da equipe CRLR, "mas buscamos ideias e pesquisamos sobre o que era mais eficiente. Depois desenvolvemos propriamente a placa e compramos os componentes. Foi um grande aprendizado, por não ficar preso à teoria. O planejamento é importante, mas ainda mais é o teste, porque na maioria das vezes a teoria não bate perfeitamente com a prática".
Apesar de jovens, os estudantes mostraram desenvoltura para enfrentar os desafios propostos pelos professores. E, de acordo com os relatos, os problemas fizeram parte do cotidiano deles nestes últimos dois meses. "Foi bem interessante. À medida que montávamos, percebíamos que alguma coisa precisava mudar e fazíamos a alteração durante o desenvolvimento (dos robôs). Cada vez que a gente ultrapassava um problema, achava outro e foi resolvendo até chegar ao fim", relatou Douglas Vieira, também da CRLR. “Foi muito proveitoso. Aprendemos sobre programação e também a como fazer gambiarras para solucionar os problemas que enfrentamos neste período”, lembrou o membro da equipe vencedora, Tiago Ramos.
O torneio foi organizado pelos professores Tales Pulinho, Márcio Rodrigues, Rodrigo Arruda e Thiago Castro. "Existem outras competições (de futebol de robôs), inclusive internacionais. A ideia é desenvolver um grupo de trabalho para competir até mesmo internacionalmente, para trabalhar com essa tecnologia aqui no campus. Os alunos passaram por um período de treinamento, para desenvolver os robôs a partir dos recursos disponíveis - lógica de programação, linguagens, microprocessador, parte mecânica, chassi e o desenvolvimento do robô como um todo", explicou o professor Tales.
"A gente viu, ao longo dos dois meses que os estudantes estão trabalhando nesses projetos, o empenho de todos", relatou Tales, "com muita dedicação nos horários livres, dentro do laboratório para desenvolver os robôs. É um amadurecimento muito grande dos alunos. O papel aceita tudo, mas na hora de colocar na prática é que os problemas aparecem. Uma solda mal feita, um robô que não se comunica. Então, é uma vivência prática muito forte".
Texto e Fotos: Daniel Leite