quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Mesa-redonda debate experiências nos Centros de Línguas do IF Sudeste

O V Seminário de Internacionalização do IF Sudeste, durante o III Simepe, possibilitou a servidores e colaboradores de diferentes unidades o compartilhamento de experiências para aprimorar um trabalho que já é um sucesso na instituição. Na tarde de quarta-feira, por exemplo, representantes dos Centros de Línguas de campi do Instituto apresentaram as ações promovidas no ensino de idiomas, com a atuação de bolsistas estrangeiros, viabilizada pelas parcerias desenvolvidas pela Assessoria de Relações Internacionais.

O professor Ailton Magela, do Campus São João del-Rei, destacou a influência positiva que tiveram as intercambistas argentinas, que ministraram aulas de Espanhol, e mais recentemente uma bolsista norte-americana, responsável pelo ensino de Inglês. De acordo com o docente, mesmo os estudantes que não realizaram um dos cursos melhoraram seu desempenho nas disciplinas específicas da graduação em Letras, pois, com o contato fora da sala de aula, foi possível praticar e aperfeiçoar a compreensão dos idiomas. O exemplo ilustra que a finalidade da iniciativa vai muito além das aulas: trata-se também de convivência e intercâmbio cultural.

As experiências do Campus Juiz de Fora foram apresentadas pelo professor Rodrigo Zaidan, a técnica em assuntos educacionais Jaqueline Costa e o bolsista Fabrice Kpoholo, que ministra aulas de Francês. No Brasil há cinco anos e atualmente doutorando em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, Fabrice, que é do Benim (país da região ocidental da África), fala Português perfeitamente. “Às vezes me passo por brasileiro”, brincou.

“Os alunos significam muito para mim. Enquanto professor em formação, em atividade, meu trabalho não tem validade sem eles. Mas tudo isso (aluno, professor), a gente coloca entre aspas, porque somos parceiros, colaboradores. Quando os estudantes trazem à sala suas experiências e seu desejo de saber mais sobre a língua, isso também me enriquece enquanto professor”, explicou Fabrice.

A professora Sarah Vieira, por sua vez, relatou a trajetória do Centro de Línguas do Campus Santos Dumont. Além dos dois bolsistas britânicos que já conduziram cursos e minicursos de Inglês na unidade, ela mesma é responsável pelas aulas de Espanhol. O intérprete Aguilar Ribeiro também já ministrou um curso de Língua Brasileira de Sinais, para comunicação com surdos – vale registrar que a Libras é um idioma próprio, e não uma mera gestualização do Português. A oferta ao público externo, além de servidores e alunos, foi outro aspecto em pauta.





Texto e imagens: Daniel Leite
14/09/2016