terça-feira, 13 de setembro de 2016

Apresentações orais mostram aplicação de Cinema e Teatro na Educação

Duas apresentações orais na tarde de segunda-feira, durante o III Simepe do IF Sudeste, no Campus Rio Pomba, evidenciaram a viabilidade da aproximação entre ensino e arte. As estudantes Wíshylla Batista e Francisca Farah, de cursos técnicos integrados de Santos Dumont, e a professora Gicele Brittes, que atua no curso técnico em Transporte de Cargas da mesma unidade, explicaram de que maneira Cinema e Teatro contribuíram para práticas educacionais.

Wíshylla e Francisca relataram a experiência no projeto "Teatro: a arte narra a vida", coordenado pela professora de Língua Portuguesa Priscila Guedes. A ideia da iniciativa, conduzida em 2015, foi utilizar o Teatro como um meio para aprimorar a habilidade de comunicação dos estudantes, seja em apresentações de trabalhos ou em interações específicas.

Assim, o projeto foi além do grupo de bolsistas. Quatro peças - duas comédias e duas tragédias - foram apresentadas por estudantes do Ensino Médio. No fim do ano, a equipe produziu um filme que conta a trajetória de um aluno do Instituto Federal, do Processo Seletivo ao sucesso profissional. O aspecto mais importante do projeto, segundo Wíshylla, foi uma interpretação mais otimista de contextos de comunicação.  "O Teatro ajuda a perder a timidez. Este é o principal fator. A gente começa a perceber que o público está lá para ver o que você tem de melhor", comentou a estudante.

A professora Gicele Brittes, por sua vez, expôs o trabalho "Cine Logística", que desenvolveu em parceria com a pedagoga Neuzete Ferreira. Foram exibidos sete filmes a estudantes de Transporte de Cargas e de outras formações. A ideia era relacionar elementos dos longas-metragens a conceitos da Logística, para criar uma nova dimensão de aprendizado. De acordo com a professora, o retorno dos estudantes foi excelente.

Um dos longas trabalhados foi a animação Bee Movie - A História de uma Abelha. Pode até não parecer, mas havia muito para extrair do filme. "Ele fala sobre como todos os elementos são importantes, tanto na natureza quanto dentro de uma organização. Quando você rompe um elo da cadeia, deixa de prestar atenção e cumprir determinada etapa, isso incide em todas as outras etapas. Então, uma decisão errada não coloca em risco apenas sua 'sobrevivência', mas a sobrevivência de sua própria empresa", explicou a professora.



Texto e fotos: Daniel Leite
13-09-2016